Miguel Luis, do Colégio Objetivo, de Maringá, conquistou três medalhas de ouro                                                                                                                                                                                       

Histórias de superação e de vidas transformadas pelo esporte marcaram os dois dias da natação durante a fase final B dos 65º Jogos Escolares do Paraná, em Apucarana. As provas aconteceram dias 07 e 08 de julho e reuniram 150 alunos do ensino regular e da educação especial no Ginásio de Esportes Lagoão.

A grandiosidade da modalidade foi marcada principalmente pela inclusão, já que alunos regulares e alunos com deficiência (ACD) compartilharam não apenas a piscina, mas também momentos valiosos no esporte e na vida. Para a diretora social da Federação de Desportos Aquáticos do Paraná, Luciane Piovesan, a natação desta edição dos JEPS mais uma vez mostrou a representatividade dos alunos-atletas paranaenses no cenário esportivo nacional: “Os JEPS são um berço, a base de tudo para os futuros campeões. Daqui saem diversos talentos, alunos que se tornarão atletas e terão vida longa no esporte. Isso sem contar a experiência da convivência, sobretudo quando o assunto é inclusão. Aqui trabalhamos com qualidade de vida e formação de caráter, e isso é imprescindível”, finalizou.

As 10 provas realizadas na primeira etapa das competições, ainda no sábado, foram na categoria regular e já apontaram novos talentos na modalidade. Entre eles Miguel Luis, do Colégio Objetivo, de Maringá, que conquistou três ouros nas três provas disputadas. O aluno possui aproximadamente 150 medalhas, em diversos campeonatos, “A minha primeira medalha nesses jogos foi no ano passado, em que conquistei o bronze nos 100 metros costas. Essa vitória é muito importante para mim e para o meu colégio”, afirmou. Ele contou também que começou a treinar natação para superar um trauma adquirido em função de um acidente na piscina, quando ele tinha 4 anos: “Eu quase me afoguei e, depois disso, meu pai quis que eu aprendesse a nadar. Comecei praticando o esporte e depois passei para o treinamento. E agora, estou aqui”, disse.

Durante a segunda e a terceira etapa da competição, ambas realizadas no domingo, os alunos com deficiência emocionaram. Esbanjando garra e histórias de superação, demonstraram que a inclusão vai além da integração ente alunos. Crianças, professores e famílias inteiras torceram a cada prova realizada pelos guerreiros, fazendo com que o espírito esportivo e solidário se transformasse em um só corpo na arquibancada. Paulo Santos, pai do atleta Juan Marcelo, deficiente visual e aluno do Colégio Juscelino Kubitschek de Oliveira, de São José dos Pinhais, estava emocionado. O filho conquistou duas medalhas de ouro (100m livre e 50m peito). Ele já havia participado de outras edições dos jogos, mas nunca estado entre os primeiros lugares: “Nós torcemos muito para isso”, disse.

Além dos pais e familiares dos alunos, é preciso destacar também a dedicação dos professores que orientam e treinam as crianças especiais para as competições. E a felicidade é ainda maior quando as crianças conseguem superar o bullying e criar novas expectativas para a vida.

O resultado completo da natação pode ser encontrado no seguinte endereço:

www.jogosescolaresdoparana.pr.gov.br

(Fotos e reportagem extraídas do texto de Ana Reimann/SEET-PR)